APLICABILIDADE – Junho 2018

 

POSTURA DO PEQUENO EMPREENDEDOR DIANTE DO CENÁRIO ECONÔMICO – APLICABILIDADE

As micro e pequenas empresas, são as que mais geram emprego, e juntas tem participação expressiva no PIB nacional. O pequeno empresário, tem a mesma importância que os grandes, tem os mesmos problemas, só não tem a mesma solução que eles, isto por vários motivos; falta de conhecimento, falta de apoio, falta de organização, e por aí a fora.

Esta é uma realidade que persiste ao longo do tempo, porque o pequeno empreendedor não tem origens empreendedoras, boa parte vem de um emprego numa empresa desorganizada, vira um desempregado sem perspectiva, e se torna um empreendedor sem estrutura organizacional, emocional e capacitacional. Se temos no Brasil um número expressivo de pequenas empresas, é porque temos um enorme contingente de brasileiros corajosos, que se lançam no espaço empresarial, por não conseguir colocação no mercado de trabalho, muitos se destacam, mas a maioria acaba numa situação de mesmice econômica, ou seja, vai empurrando com a barriga até aparecer coisa melhor.

Não precisa ser assim, é certo que 90% das pequenas empresas tratam de atividades já conhecidas e exploradas, nada é novidade, é aí que encontramos a chave do sucesso, temos muita gente fazendo a mesma coisa de maneiras diferentes, com posturas diferentes, temos muitos exemplos de atitudes certas e erradas, precisamos apenas discernimento para separar o joio do trigo, aprender com os erros dos outros é a melhor forma de não perder, a pesquisa do seguimento é o melhor caminho, ver o concorrente como inimigo pode ser o primeiro passo para a cegueira de mercado, o concorrente é aquele que anda junto, não quem é contra, assim vence quem faz melhor. Para saber se a empresa está no caminho certo, é preciso ter uma referência. Quem? O concorrente. Se todos eles estão bem e você não, é óbvio que você está fazendo algo errado, então saber o que eles fazem para dar certo é o primeiro passo, o segundo é traçar seu próprio caminho, da forma certa.

Quando falamos em planejamento, não significa focar em teorias que não se aplicam à realidade do pequeno empresário, falamos em identificar as limitações e buscar soluções práticas, até aí nada de novo, o pulo do gato, é praticar a aplicabilidade. Por mais simples que sejam as soluções, elas devem ser aplicadas de forma exaustiva, para corrigir os erros e melhorar os acertos durante o caminho, saber que está dando errado é mais saudável do saber que deu errado, deu errado é passado, já foi, está dando é presente, dá pra consertar. A aplicabilidade nos permite corrigir antes que o erro cause danos à empresa, esta técnica pode ser usada em todos os setores ao mesmo tempo; compras, estoque, vendas, custos, financeiro, pessoal, etc. Como os departamentos são interligados, as atitudes são coordenadas pelo mesmo objetivo. Aplicabilidade.

Nem sempre o empresário é senhor do conhecimento, ele detém a técnica do seu seguimento mas fica aquém dos conceitos organizacionais, neste ponto entra a assessoria, mas, o discernimento também se aplica na hora de contratar um consultor ou assessor, consultores teoristas inundam o mercado, criam uma confusão na cabeça do pequeno empresário porque não tratam da aplicabilidade, tratam da “teoria-bilidade”, isto não contribui para ajudar, quando uma empresa trabalha com uma consultoria eficiente, dá um passo a frente, quando não, dá vários passos em círculos, triste realidade, quem anda em círculos só levanta poeira, não chega a lugar algum.

O maior patrimônio de uma empresa é a qualidade que ela põe no seu produto, para chegar neste ponto percorre um longo caminho de aprendizado, tropeços, vitórias e derrotas, tudo vale como experiência, fazer igual aos outros, coloca a empresa no lugar comum, só vai crescer se o seu seguimento crescer, fazer melhor que os outros tira a empresa da mira da crise, nenhuma adversidade econômica afeta a empresa estruturada, porque ela sempre vai ter uma alternativa para contornar a situação. O trabalho de marketing deve ser levado a sério, entenda que marketing não é propaganda, é pesquisa de mercado. Para ser o melhor é preciso ter aceitação do mercado, saber se ele está ou não gostando do seu produto, é fator de sobrevivência, a aplicabilidade nos permite um dinamismo capaz de proporcionar mudanças para prever as reações do cliente, se perpetuar num mercado extremamente competitivo dá credibilidade no produto e nas convicções da empresa, ela passa a ser referência para os que estão começando, é o ciclo da realidade em ação.

Para empreender é preciso entender, e para entender é preciso aplicabilidade.

Aparicio Esquina – Consultor em Gestão da Informação

www.jesquina.com.br

contato@jesquina.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*